PUBLICADO EM: 15/02/2018

ARTIGO: O EFEITO BORBOLETA NOS EVENTOS

Por Toni Sando, Presidente Executivo do VISITE SÃO PAULO e Presidente UNEDESTINOS

Você já deve ter ouvido falar sobre o “Efeito Borboleta”. É uma teoria que descreve como um movimento simples inicial pode ocasionar em uma grande consequência no futuro. Seu nome vem da ideia de que o bater das asas de uma borboleta pode ocasionar uma sequência de acontecimentos que resulte em um tufão no outro lado do mundo. Com uma visão mais otimista, a mesma análise pode ser feita na captação de eventos nacionais e internacionais.

Antes, é importante esclarecer o que é a captação. Muitos eventos no Brasil e no mundo têm como característica sua rotatividade. Ou seja, cada edição precisa ser realizada em um destino diferente. E sua periodicidade varia: pode ser anual, bienal, a cada três anos… esta costuma ser uma qualidade recorrente em eventos associativos. Da seguinte forma, os destinos concorrem entre si para que possam receber a próxima edição. E essa é a especialidade do São Paulo Convention & Visitors Bureau – e de Covention & Visitors Bureaus e Entidades de Destinos do Brasil, representados pela UNEDESTINOS: mapear quais eventos possuem essas características e reunir os players necessários, públicos e privados, para mostrar como a cidade é a ideal para a realização de seu congresso, conferência, fórum ou simpósio. O processo pode durar anos, com a candidatura postulada, produção de dossiês, visitas de inspeção, cartas de apoio e geração de oportunidades de negócios.

Um dos grandes pontos positivos é que o movimento de atrair o encontro para a sua cidade pode acarretar em um gigantesco acontecimento no futuro. Na verdade, diversos acontecimentos.

Esse é o bater da asa da borboleta. Com a captação confirmada, o destino terá um impacto das magnitudes de um tufão no ano de sua realização, mas composto de fatores positivos: incremento na economia, maior arrecadação de impostos e geração de novas oportunidades de negócios. E o mercado de eventos está intimamente relacionado ao de turismo e viagens, pois já é de conhecimento de todos que grande parte do público é composto por visitantes.

Diferente ainda de eventos já estabelecidos na cidade, como um Salão do Automóvel e Bienal do Livro, os eventos associativos contam com um público muito especializado: profissionais da saúde, advogados, psicólogos, etc. Todos ávidos pela realização do encontro – e para desbravar o destino, uma vez que a próxima edição do evento conta com grandes chances de acontecer em outro destino.

Pode ser uma oportunidade única para o visitante desfrutar o leque gastronômico de São Paulo, com seus mais de 50 tipos de cozinha – a exemplo do que faz o festival Restaurant Week duas vezes por ano; a agenda de shows e teatros da capital, um polo da vanguarda cultural nacional e rota obrigatória para bandas brasileiras e internacionais; um passeio entre os principais atrativos espalhados pela cidade, precisando, assim, de fácil locomoção; compras, tanto de suvenires para lembrança da visita, quanto em shopping centers e ruas especializadas, do luxo ao popular; e viver a noite paulistana com seus inúmeros bares, do moderno ao clássico, e bairros boêmios.

O VISITE SÃO PAULO atua para que os visitantes estejam munidos de informação e facilidades para que possam usufruir o melhor do destino. Servindo como agregador de toda a cadeia produtiva de turismo, eventos e viagens, e cerne de relacionamento com as associações que realizam seus encontros, a entidade busca ampliar o alcance do “bater das asas”, para que todo o destino possa sentir os ventos do tufão de oportunidades para desenvolvimento de novos negócios neste verdadeiro efeito borboleta do mercado de captação de eventos.